Swish – Uma Técnica da PNL Para Mudar Comportamentos ou Hábitos Indesejados…
Eduardo Vaz (92 artigos)
Compartilhar

Swish – Uma Técnica da PNL Para Mudar Comportamentos ou Hábitos Indesejados…

O Swish é uma técnica da Programação Neurolinguística que utiliza mudanças de submodalidades críticas. Ela muda comportamento ou hábitos indesejáveis ao estabelecer um novo direcionamento. Aquilo que costumava disparar o comportamento antigo incitará um movimento na nova direção. Isso é mais poderoso do que simplesmente mudar o comportamento.

O swish pode ser usado em qualquer sistema representacional. Eis os passos para o swish visual:

1. Identifique o problema

Este pode ser um comportamento ou hábito que deseja mudar, ou qualquer situação que deseje responder com mais recursos.

2. Identifique a imagem que dispara o problema

Trate esse problema como uma realização. Como saberá quando fazê-lo? Quais as pistas específicas que sempre o precedem? Procure um gatilho visual específico para o problema. Pode ser um gatilho interno (algo que vê em sua mente) ou externo (algo que vê no mundo exterior). Considere esse gatilho como imagem associada (interiorizada).

3. Identifique duas submodalidades críticas da imagem-pista que lhe conferem impacto

As mais comuns são tamanho e brilho. Se aumentar o tamanho e o brilho da imagem a tornar mais eficaz, serão essas as submodalidades. Essas duas submodalidades precisam ser submodalidades analógicas, como tamanho e brilho, que podem ser continuamente aumentadas ao longo de uma faixa.

4. Quebre o estado

 

5. Crie a imagem de uma auto-imagem desejada

Como você se veria se não tivesse esse problema? Que tipo de pessoa seria facilmente capaz de solucionar tal questão ou nem mesmo teria esse problema? Você teria mais escolhas e seria mais capaz. Faça com que essa imagem seja equilibrada e crível e não conecte a qualquer contexto específico. Certifique-se de que seja ecológica. Ela precisa ser motivadora e muito atraente. Torne-a uma imagem dissociada (exteriorizada).

6. Quebre o estado

 

7. Coloque as imagens na mesma moldura

Volte para imagem do problema. Torne-a uma imagem grande e brilhante caso essas sejam suas submodalidades. Certifique-se de que seja uma imagem associada (interna). Em um canto da imagem, coloque sua auto-imagem desejada nas submodalidades opostas – como imagem pequena e escura, dissociada (externa).

8. Faça o “swish” das duas imagens

Rapidamente transforme a imagem pequena e escura em grande e brilhante e a expanda até que preencha a moldura. Faça com que a imagem do problema fique escura e encolha-a ao nada. Faça isso muito rapidamente. Ao mesmo tempo, imagine algum som que se encaixe com o movimento (como s-w-i-s-h!).

9. Quebre o estado visualmente

Abra os olhos se os tiver fechado e faça com que o quadro fique branco. Olhe para uma outra coisa qualquer.

10. Repita o swish e quebre o estado

Faça isso pelo menos três vezes, muito rapidamente. Certifique-se de quebrar o estado entre cada swish ou estará se arriscando a fazer o swish do problema de volta novamente!

11. Teste e faça ponte ao futuro

Tente acessar o problema mais uma vez. O que está diferente? Às vezes, você não conseguirá obter a imagem-pista novamente da mesma forma. Às vezes, você começará a falar a respeito do problema usando o tempo do verbo no passado.

 

Ilustração Gráfica da Técnica

beleza-como-eliminar-as-manchas-de-cigarro-nos-dedos-br homem-correndo-b2-academia

1

Imagem desencadeante
– Associada
– Luminosa
– Grande

Imagem Meta
– Dissociada
– Escura
– Pequena

2

Imagem desencadeante
– Associada
– Escura
– Pequena

Imagem Meta
– Dissociada
– Luminosa
– Grande

 Solução de Problemas

Se o swish não funcionar:

→ Você pode não ter o gatilho correto.
→ Você pode não ter a submodalidade crítica.
→ A auto-imagem pode não ser forte ou atraente o suficiente.

Volte e verifique as submodalidades críticas e desenvolva uma auto-imagem que seja congruente.

O swish pode ser usado em qualquer sistema representacional. O padrão básico é:

→ Encontrar a pista.
→ Identificar as submodalidades críticas para essa pista.
→ Criar a representação de como você quer ser – o tipo de pessoa que não teria esse problema. Use o mesmo sistema representacional que o da pista do problema.
→ Represente a pista nas submodalidades críticas e torne-a associada. Faça com que a auto-representação desejada seja dissociada nas submodalidades opostas.
→ Rapidamente substitua a representação da pista pela auto-representação desejada.
→ Quebre o estado e repita pelo menos cinco vezes, quebrando o estado de cada swish.
→ Teste (o gatilho ainda se dispara quando visualiza o problema mentalmente?).

Bem, é isso. Espero que essa técnica possa mudar comportamento ou hábitos indesejáveis ao estabelecer um novo direcionamento.

Um grande abraço…

Eduardo-Vaz3

Fonte: Manual de Programação Neurolinguística – Josef O’Connor

Eduardo Vaz

Eduardo Vaz

Bacharel em Direito, Conciliador do Tribunal de Justiça do Estado do Paraná, Hipnólogo formado por Olimar Tesser, Practitioner de Hipnose, Estudioso da Área Linguagem Corporal, Microexpressões Faciais, Leitura Fria, Mentalismo, Vidência, Membro da IFGE (The International Foundation for Gender Education), Empreendedor Digital na Área de Marketing Digital e Relações Humanas, Administrador e Colaborador do Site Body Language Brazil.

Comente

  1. Lucian9
    Lucian9 novembro 28, 10:44
    Muito bom

Deixe seu comentário

Seus dados estão seguros! Seu e-mail não aparecerá publicamente. Em hipótese nenhuma compartilharemos ele com terceiros. Preencha os campos marcados com *